Charles Bradley: o trono da soul pertence-lhe

Mesmo que Charles Bradley não fosse  uma descoberta tardia, ao editar os seus primeiros singles com 62 anos; ainda que não tivesse sido protagonista de uma história de vida perfeita para magazines televisivos dedicados a tragédias e existências infelizes; mesmo que não viesse actuar a Portugal pela primeira vez, com um concerto agendado para o Cool Jazz Fest, no domingo… raios, este homem toca com a Budos Band, mestre das coisas da soul e do funk, é herdeiro (artístico) directo de James Brown e assina discos pela Daptone Records, “a” editora da melhor música negra americana dos nossos dias. Seria sempre fácil justificar uma conversa com ele, ainda que curta, com um telefone rezingão e a quilómetros de distância. Ainda assim, é ele que nos agradece: “Obrigado pela atenção, prometo dar o meu melhor em palco.”

Esta humildade é crónica. E não há ali ponta de engodo para jornalista/leitor ver, nada. Charles Bradley tem adoração por quase tudo e medo do que resta. “Passei por coisas complicadas, não interessa agora quais, isso ia demorar muito tempo. Mas tudo o que aconteceu fez com que tivesse muitas dúvidas. Não acredito em muito do que vejo e acho que não tenho remédio quanto a isso.” Estas “coisas complicadas” dizem respeito a anos de vida nas ruas, década de  60 entre lutas por direitos civis, emprego-desemprego uma e outra vez e uma maldição sobre os seus sonhos artísticos: “Imaginas como é difícil conseguir que alguém acredite em ti quando nunca ninguém ouviu o teu nome? Muitos deles hoje devem estar com problemas de consciência.”

Bradley podia sempre ter desistido. Passou anos como cozinheiro, essa teria sido uma boa solução. Cruzou-se com o Ku Klux Klan e com momentos menos agradáveis da história dos Hell’s Angels. Malvadez deste tipo não mata mas mói, até que dá de caras com este optimista impossível. Explica-se assim a insistência que o levou a gravar “No Time for Dreaming”, um dos melhores álbuns deste 2011, até ver: “Duas coisas fizeram com que não desistisse. A música Soul e Deus. E escreve os dois com letra maiúscula.” Charles diz-nos mesmo que “na verdade é apenas uma coisa, está tudo ligado”, mas preferimos separar conceitos. “A música soul vive-se, tem a ver com as dores que temos, que só se partilham através das canções. São lamentos com música e por isso ninguém lhes fica indiferente. Escapar a isto, nunca, nem que muito se queira.” A religião é herança de família: “A minha mãe e a minha avó sempre me disseram que Deus me iria ajudar. O que posso fazer agora senão acreditar? Nem James Brown me deu a mão, e podia tê-lo feito.” E aqui encostamos melhor o telefone ao ouvido. Charles Bradley passou anos a actuar como imitador de James Brown – na verdade, foi esse malabarismo que convenceu a boa gente da Daptone a mudar-lhe a vida. Na hora decisiva, o messias da soul e do funk, Mr. Dynamite, disse que não. Vergonha ou história mal contada? “Bom, a verdade não é bem essa. Conheci-o num bar em São Francisco. Disse-lhe ‘James, sabes que sou capaz, dá-me uma oportunidade.’ Ele respondeu-me ‘Sei que sim, Charles, mas não posso deixar–te subir ao palco, ias roubar-me o espectáculo’.” A melhor história para contar a quem tenha dúvidas quanto a ver ou não o concerto de domingo.

publicado no ‘i’
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Charles Bradley, Música. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s