‘Black Lips’: graciosos hinos irresponsáveis

Antes os Black Lips era quatro rufias com dinheiro suficiente para comprar instrumentos musicais (nada de muito sofisticado, o básico para cantar desaforos), droga para efeitos festivos e combustível que os levasse a tocar num palco qualquer, onde quer que fosse. Pelo meio, causavam distúrbios adolescentes em concertos de garage rock para abanar as ancas. Agora, os Black Lips são exactamente o mesmo, mas com “Arabia Mountain”. O que nos diz o disco? Que este quarteto de Atlanta, Georgia (terra muito americana), fez uma curta pausa na sua loucura controlada para decidir ser famoso e ter os jornais e os blogues a comentar as canções e não os malabarismos da banda em palco – estes vão de habilidades com animais a virtuosismos genitais. Uma aposta: vão conseguir.

“Arabia Mountain” não é um disco melhor que “Good Bad Not Evil”, de 2007. Nesse tempo, os Black Lips tinham poucos medos e toda a lata do rock. Atiravam-se de cabeça a cada tema apenas pelo apelo de um balanço safado, bastava-lhes saber que a música soava a fora-da-lei para não mais desligarem a distorção. Já “Arabia Mountain” foi construído em dias de maior ponderação criativa. Os Black Lips quiseram fazer canções, princípio-meio-e–fim à moda da história da pop, sem perder o nervo punk e o aspecto mal lavado dos arranjos. E_por isso renderam-se à ajuda externa e tiveram o apoio à produção da estrela dos estúdios Mark Ronson e do herói indie Lockett Pundt, membro dos elogiados Deerhunter. Não se perde grão na música, tudo continua a ter início e fim nas guitarras primitivas, na secção rítmica áspera, que não quer saber de variações de estilo nem de cor. Mas há menos espasmos e mais controlo sobre os nervos, maior capacidade de dizer tudo o que há para dizer em menos de três minutos.

Da secção “ele há coisas que poderiam estar melhor”, o grande destaque vai para o alinhamento de 16 canções, que não tem fôlego que chegue para se aguentar até ao fim com o mesmo ritmo. Mas com canções como “Family Tree”, “New Direction” e a brilhante “Modern Art”, os Black Lips podem mesmo vir a conquistar atenção para algo mais que não o circo que por vezes protagonizam.

publicado no ‘i’
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Black Lips, Música. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s